Meu perfil




BRASIL, Sul, JACAREZINHO, Homem, de 15 a 19 anos, Informática e Internet, Música, TV e Novelas

Recomendo! Repórter Record

.

Neste Domingo (16/08) será exibido mais um exclusivo 'round' da 'guerra' entre Globo e Record. O Repórter Record irá exibir uma reportagem exclusiva sobre os ataques que a emissora vem sofrendo da Globo. Na reportagem, a emissora paulista pretende mostrar aos telespectadores a Globo que ninguém conhece, será exibido a boa vida dos herdeiros de Roberto Marinho, e uma entrevista exclusiva com o bispo Edir Macedo que contará tudo sobre o escândalo envolvendo seu nome, a Igreja Universal e a Rede Record. É imperdível, o Repórter Record deste domingo que irá ao ar às 20:30 horas.

.

Escrito por Jéfferson Balbino às 18h51 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Bastidores da TV

.

Os fãs de "A Lei e o Crime" podem comemorar. Além de já ter confirmada uma segunda temporada em 2010, a série da Record vai virar filme. É o que garante Marcílio Moraes, autor da produção protagonizada por Ângelo Paes Leme, que dá vida ao traficante Nando. Marcílio adianta que o longa vai seguir a mesma linha do seriado, isto é, vai apostar nas tramas de ação e terá um elenco bem fiel ao da tevê.
Até o momento, porém, o escritor só confirma o nome de Ângelo Paes Leme no elenco do filme. Assim como na série policial da tevê, o ator vai continuar dando vida ao ex-paraquedista que tem a vida mudada depois de matar o sogro. "Estamos trabalhando o roteiro do filme e pretendemos começar a rodar no fim deste ano", conta Marcílio, que garante uma segunda temporada da série também no ano que vem. "Vai ter uma continuação, mas ainda não tenho nada pensado", despista ele, que, por enquanto, tem dedicado a maior parte do tempo à sinopse de sua próxima novela na emissora.

De volta
Thaís de Campos vai voltar à tevê na pele de uma mulher anulada pela mãe em "Cinquentinha", seriado de Aguinaldo Silva previsto para estrear em outubro na Globo. Na história, ela será Celina, filha da atriz Lara Romero, vivida por Susana Vieira, e mãe de Bárbara, de Monique Alfradique. Secretária e confidente da mãe, a personagem vai guardar um grande segredo: quem é o pai de sua filha. O último trabalho de Thaís na televisão foi em "Duas Caras", onde deu vida a Claudine, secretária pessoal da condessa de Finzi-Contini, vivida por Adriana Alves.

Tributo ao rock
A partir de hoje, o "Jornal Hoje" exibe a série "Sábados de Rock". São sete reportagens, adaptadas da série "Seven Ages of Rock", produzida pela BBC e, a cada sábado, um convidado diferente vai apresentar um estilo ou período do rock. A ideia não é contar toda a história do rock, mas sete histórias. O primeiro convidado é o comentarista esportivo Walter Casagrande. Ele falará sobre os grupos ingleses que invadiram palcos e rádios americanas no trilho dos Beatles, como Rolling Stones, Yardbirds, Cream, The Kinks, The Who - a chamada invasão britânica. Casagrande vai citar ainda um americano que trocou figurinhas com muitos desses roqueiros: Bob Dylan.

Rival
Depois de dar vida a Capitu, a célebre personagem de Machado de Assis, na segunda fase da microssérie "Capitu", exibida em dezembro na Globo, Maria Fernanda Cândido vai dar o ar da graça em mais uma minissérie. Em "Dalva", escrita por Maria Adelaide Amaral, ela será Lurdes, a segunda mulher de Herivelto Martins, vivido por Fábio Assunção, e principal rival da personagem-título, de Adriana Esteves. Prevista para estrear em janeiro de 2010, a produção começa a ser gravada no mês que vem.

Inusitado
Ratinho vai ter seus dias de ator no SBT. É que o apresentador vai participar de "Vende-se Um Véu de Noiva". Na novela de Íris Abravanel, com direção de núcleo de Del Rangel, ele vai interpretar Caetano Soares, um poderoso advogado. Ratinho já gravou 14 cenas, nas quais contracena com Marcos Winter, Ernando Tiago e Anastácia Custódio. A participação do apresentador está prevista para ir ao ar no dia 29 de agosto e deve ser exibida em aproximadamente sete capítulos da trama.

Sonho alto
Não são só os anônimos que estão tentando um lugar ao lado de Marcelo Tas, Rafinha Bastos e Marco Luque na bancada do "CQC", da Band. A ex-"BBB 6" Juliana Canabarro também está de olho na disputa para ser a oitava integrante da trupe. Apesar de ser famosa, a moça não teve nenhuma regalia na hora de se inscrever. Como todos os outros candidatos ao posto, ela gravou um vídeo e enviou à produção.

Rápidas
# Hoje, Xuxa recebe Angélica no quadro "Papo X", do "TV Xuxa". Durante a entrevista, a mulher de Luciano Huck revela à apresentadora detalhes de sua intimidade com o apresentador. Às 10h30, na Globo.

# Amanhã, a TV Brasil exibe o documentário "Aqui Favela, o Rap Representa", que mostra o panorama do hip-hop em São Paulo e Belo Horizonte. Ao meio-dia, na TV Brasil.

# Atualmente apresentando o "Domingo Legal", Celso Portiolli participa do "Programa Silvio Santos" de amanhã. Ao lado de Sabrina Parlatore, o apresentador disputa o "Jogo das Três Pistas". Às 17h, no SBT.

# Hoje, no "Show do Tom", os participantes de "O Curral" recebem visitas para lá de especiais.Familiares e amigos de alguns participantes de "A Fazenda" estarão no "reality show" do humorístico a fim de defender os seus participantes favoritos. Às 22h30, na Record.

(por Carla Neves (interina)
do UOL Televisão

.

Escrito por Jéfferson Balbino às 15h57 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Espaço Aberto: A Guerra entre Record e Globo

.

TV Record e TV Globo trocaram acusações, em seus principais telejornais, ao longo desta semana. Na terça-feira, o "Jornal Nacional" veiculou reportagem de dez minutos sobre as acusações que o Ministério Público faz à cúpula da Igreja Universal. Colocou no ar também imagens de 1995 do bispo Edir Macedo, líder da Universal, ensinando pastores a convencer fiéis a doar dinheiro.

A resposta veio na noite seguinte. O "Jornal da Record", durante 14 minutos, fez ataques à Globo e mostrou obras de caridade mantidas pela Universal. Para a Record, a cobertura da concorrente é um "ataque direto e desesperado" de quem tem medo de perder "o monopólio dos meios de comunicação no Brasil". O texto afirmava "não ser novidade que a família Marinho usa a televisão para seu jogo de interesses" e que "o poder da família Marinho teve origem na ditadura militar".

Ao mesmo tempo, a reportagem da Globo (9,5 minutos) detalhava as acusações do Ministério Público contra a Universal e destacava que "a Promotoria concluiu que empresas de comunicação estão entre os que receberam ilegalmente" dinheiro de fiéis. Mostrava imagens de um templo para ilustrar a acusação de que "a religião é apenas um pretexto para a arrecadação de dinheiro".

Na quinta-feira, a Record ampliou a cobertura e, em 22 minutos, disse que, com os "ataques" da Globo, "a fé de todos esses fiéis foi ridicularizada". Insistiu ainda no foco no lado empresarial da Globo. "A ligação com o submundo dos golpes financeiros está presente na Globo desde o seu nascimento."

O "JN" do mesmo dia diminuiu o tempo destinado ao tema, para 6,5 minutos. Sempre citando o Ministério Público ou jornais, reforçou que "o dinheiro doado pelos fiéis para a caridade" acabou "usado em benefício do grupo de Edir Macedo".

Ontem, a Globo fez nova reportagem, de seis minutos e 15 segundos. Reproduziu reportagens de jornais e foi atrás do destino de R$ 10 milhões apreendidos com um líder da Universal em 2005. Informou que a igreja já fez seis recursos para reaver o dinheiro, mas não conseguiu convencer a Justiça.

A Record anunciou ao final do seu telejornal ontem um programa especial sobre o caso, amanhã à noite.

A audiência média do "Jornal Nacional" nesta semana foi de 36,7 pontos no Ibope, equivalente a 2,05 milhões de domicílios na Grande São Paulo, e a do "Jornal da Record" foi de 8,6 pontos.

.

Fonte: UOL

.

 

Escrito por Jéfferson Balbino às 15h42 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Tela do Entretenimento: A FAZENDA

.

Café da manhã

Depois de cumprirem as tarefas matinais, Pedro e Carlinhos voltaram para a sede da Fazenda. Muito disposto, o comediante colocou o leite ordenhado para ferver e preparou o café da manhã: a tradicional bruschetta - uma receita italiana, com pão, molho, queijo, tomate e manjericão.

 

Danni Carlos cumprimenta Dado com carinho

Danni Carlos também levantou cedo e logo tratou de cuidar das suas "meninas". Mas antes de começar as tarefas, a roqueira cumprimentou Dado com muito carinho. O cantor e a amiga fizeram as pazes nessa madrugada e o clima entre os dois voltou a ser de harmonia.

 

Dado convida os peões para seu casamento

Enquanto tomavam café da manha, Dado e Carlinhos colocavam a prosa em dia. A dupla foi interrompida por Dado, que fez um convite mais do que especial. O cantor quer a presença dos amigos em seu casamento, que acontecerá em breve. A dupla ficou agradecida do convite e disse que estará lá para prestigiar esse momento.

 

Carlinhos e Pedro cuidam os cavalos

A dupla dinâmica, Carlinhos e Pedro, não parou nenhum minuto. Depois de cuidarem de suas tarefas matinais e tomarem café, os amigos foram cuidar dos cavalos. Os peões levaram os cavalos, a vaca e o bezerro para o pasto e limparam a baia dos animais, deixando tudo limpo.

 

Carlinhos e Dado curtem a piscina

Aproveitando o sol que faz em Itu, Carlinhos aplicou protetor solar e deitou-se no deck da piscina.Dado não resistiu ao belo dia que faz na Fazenda e juntou-se a Carlinhos no deck da piscina. O cantor aplicou protetor solar e foi tomar sol junto com o amigo. Já Pedro não quis saber de nada e continuou dormindo na casa da árvore.

.

Escrito por Jéfferson Balbino às 14h05 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Boletim da TV

Nota DEZ

.

.

Para o Câmera Record, exibido ontem (14/08) na Record. O programa exibiu a reportagem "Os meninos malvados do reino animal" onde macacos roubam bananas num vilarejo na Índia. A reportagem foi bem produzida, e conseguiu agradar, além da excelênte apresentação de Marcos Hummel.

.

Nota ZERO

.

.

Não consigo ver mais graça no programa da RedeTV! , Dr. Hollywood, a atração apresentada por Daniela Albuquerque já se desgastou e (na minha opinião) já deveria ser substituida.

.

Escrito por Jéfferson Balbino às 13h50 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Entrevista Especial com: MARGARETH BOURY

.

Ela se formou em Jornalismo, mas preferiu contar histórias ficcionais. Colaborou em muitas novelas de sucesso da Rede Globo, até vir à chance de se tornar a autora principal da novela Alta Estação, exibida entre 2006/2007 na Rede Record. Já escreveu uma novela para a Angola, é filha do diretor Reynaldo Boury, irmã do também diretor Alexandre Boury, e mãe do ator Guilherme Boury, ela é uma das grandes autoras da Record: Margareth Boury.

 

Jéfferson Balbino – Margareth como foi colaborar em tantas novelas de sucesso como: Sonho Meu, Despedida de Solteiro, Uga Uga?

 

Margareth Boury: Despedida de Solteiro foi minha primeira colaboração. O Walter Negrão me chamou depois de ter visto alguns Casos Verdade que eu escrevi. Comecei com a turma jovem da novela e, segundo o Negrão, dei uma mexida ótima neles, que começaram a falar diferente. Depois fui pegando outras tramas. Gostei muito de trabalhar com o Negrão, que é extremamente organizado. Sonho Meu me deu a oportunidade de trabalhar com o Lauro César Muniz. Eu fiquei praticamente morando em São Paulo e aprendi muito, o Lauro não tem medo de ensinar e me deu ótimas dicas. O Marcílio Moraes também estava na equipe, na verdade a novela era dele com a supervisão do Lauro. Até perto do capítulo 100, eu era a única mulher com os dois. Depois entrou a Maria Adelaide Amaral. Uga Uga foi pra lá de divertido. Trabalhar com o Lombardi nessa novela foi um divisor de águas na minha carreira. O Lombardi tem umas mil idéias por segundo e a gente tem que acompanhar o ritmo dele. Foi ótimo, de verdade.

 

Jéfferson Balbino - Explica pra gente como funciona o trabalho de um colaborador numa novela?

 

Margareth Boury: Então, é ralação, é dedicação total. É pensar como o cabeça da equipe, é não ter ego e saber que mesmo que a sua cena seja a cena mais brilhante do capítulo, o mérito vai pro autor. Ao mesmo tempo, você aprende muito.

 

Jéfferson Balbino – E como foi escrever a novela Minha Terra Minha Mãe para Angola? É difícil escrever uma novela para outro País?

 

Margareth Boury: É diferente. Muda tudo: costumes, hábitos. Aqui a gente sabe o que o povo mais ou menos quer, tem grupo de discussão e é a nossa casa. Minha Terra teve argumento de angolanos e eu desenvolvi a trama. Claro que mudei muitas coisas, mas tive ajuda para colocar o texto no português que eles falam lá (completamente diferente do nosso).

 

Jéfferson Balbino - Como você decidiu que queria ser escritora de novelas? Teu pai (o grande diretor Reynaldo Boury) te influenciou?

 

Margareth Boury: Meu pai praticamente me jogou dentro. Eu queria ser atriz e ele me desafiou pra escrever um Caso Verdade. Não posso com desafio! Escrevi um chamado Histórias de Pescador - que acabou sendo a primeira comédia dentro do Caso Verdade. Aí meu pai pegou o texto (ainda se escrevia em máquina e a minha era uma olivetti manual!) e levou para o Mário Lucio Vaz, na época responsável pelo departamento de teledramaturgia da Globo. O Mário achou ótimo - ah, sim, meu pai tinha apagado meu nome dos capítulos e o Mário leu sem saber de quem era. Foi assim que eu comecei.

 

Jéfferson Balbino - Como você que já escreveu vários episódios para as séries Caso Verdade (Globo) e Fronteiras do Desconhecido (Manchete), você considera mais fácil do que escrever uma novela?

 

Margareth Boury: Escrevi A Diarista também e claro que é mais fácil. Muito mais. No Caso Verdade a gente recebia uma carta de alguém contando um caso e depois uma pesquisa em cima do caso (pra ver se era verdade mesmo) e depois criava em cima. Fronteiras foi divertido, era um Além da Imaginação brasileiro e eu adorei fazer! A Diarista foi um aprendizado de sitcom. Era piada em cima de piada, sem pausa. Mas muito menos cansatio que escrever novelas, sem sombra de dúvidas.

 

Jéfferson Balbino – Margareth você já atuou como atriz nas novelas: Redenção, Corrida do Ouro, Gabriela, Paraíso e até na série Caso Verdade. Como foram essas experiências como atriz? Nunca pensou em voltar atuar novamente?

 

Margareth Boury: Não! Mil vezes não! Deixa isso pra quem tem talento e vocação.

 

Jéfferson Balbino – Margareth, eu sou muito fã da atriz Carolina Ferraz (a galera aqui do Blog sabe bem disso). E você juntamente com o Carlos Lombardi, Emanoel Jacobina e Tiago Santiago escreveu uma das melhores personagens na carreira da atriz: a Rubi Calderón da novela Kubanacan. Como vocês construíram essa personagem?

 

Margareth Boury: Quem construiu foi o Lombardi. Eu escrevi muito pra ela e pro Enrico, mas porque me identificava com a linha dura da Rubi. O Lombardi queria uma mulher que não fosse, como dizer... mulherzinha. Eu adorei a proposta da personagem e a gente começou a ver o resultado da Carolina, aquela mulher linda, vestida com aquele macacão e morta de amor pelo cunhado! Foi uma delícia. Também sou fã da Carolina e, se pudesse, ela faria minhas novelas todas.

 

 Jéfferson Balbino – Margareth, você achou difícil escrever para seu próprio filho (o ator Guilherme Boury) na sua novela Alta Estação?

 

Margareth Boury: No começo muito! Tanto que eu dei o terceiro capítulo da novela para o Claudio Simões fazer porque a participação do Caio era grande - ele seria atropelado e tudo. Depois que eu vi o resultado dele no ar, relaxei: "o moleque tem talento e eu vou é fazer o meu!".

 

Jéfferson Balbino – O Guilherme tem se mostrado um dos melhores atores de sua geração, prova disso é o sucesso que ele vem fazendo na novela Poder Paralelo. Foi você que o incentivou a seguir essa profissão?

 

Margareth Boury: Não fui eu, não.Eu achava o Guilherme tímido demais (e ele é) pra ser ator. Mas meu irmão, que é diretor, começou a fazer pressão no Gui. Ele via alguma coisa dentro do Guilherme, o talento, acho eu. Aí o Guilherme foi fazer a CAL e é isso: temos aí um grande ator. Meu pai, quando a novela ALta Estação começou e o Guilherme começou a atuar, me ligou e disse: "Onde é que o Guilherme aprendeu a fazer televisão desse jeito? Tava escondido fazendo aula?".

 

Jéfferson Balbino – Alta Estação foi concebida para ter várias temporadas (assim como Malhação), porém, só teve apenas uma. O que de fato ocorreu para a Record não continuar produzindo outras temporadas?

 

Margareth Boury: Isso só a Record pode te dizer.

.

Escrito por Jéfferson Balbino às 00h08 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Entrevista Especial com: MARGARETH BOURY (parte 2)

.

Jéfferson Balbino – Sem parecer demagogia, a novela Alta Estação foi uma das melhores que já assisti, pelo fato de abordar temas que envolvem a vida dos jovens. Em que você se inspirou para escrever essa inesquecível novela?

 

Margareth Boury: Gosto muito de gente jovem e na época eu ainda morava com os meus filhos e a casa era literalmente o quartel general deles. Eu ali no meio do grupo imenso escutando aquelas coisas todas, impossível não colocar no ar. Depois que a novela começou, os atores a atrizes iam sempre lá bater teto com o Gui ou simplesmente bater papo. Eu ficava fingindo que via televisão e ia pegando tudo que eles falavam. Dia seguinte estava tudo no capítulo.O slogan de Alta Estação era: "A SUA VIDA VIROU NOVELA",  pois a proposta era realmente fazer uma novela para jovens falando dos problemas reais deles. Era divertido ver a carinha deles quando pegavam os capítulos e tinha cena que eles reconheciam como sendo da vida deles.

 

Jéfferson Balbino – Pra você qual foi o motivo da novela não ter ido tão bem na audiência, já que era uma história instigante?

 

Margareth Boury: Muito claramente a mudança de horários. Não se fideliza público mudando novela de horário daquele jeito.

 

Jéfferson Balbino – Você é formada em Jornalismo, mas nunca exerceu a profissão. Nunca pensou em ser âncora de um telejornal?

Margareth Boury: Não, claro que não. De novo: deixa isso pra quem tem talento e vocação.

Jéfferson Balbino – Das novelas que você escreveu qual é a sua preferida?

 

Margareth Boury: Como colaboradora foi Uga Uga.

 

Jéfferson Balbino – E das novelas que você já assistiu qual você considera a melhor?

 

Margareth Boury: São duas: Roque Santeiro e Tieta.

 

Jéfferson Balbino – Estava previsto para você escrever a novela Bela, a Feia na Record, porém, a adaptação acabou ficando com a autora Gisele Joras. Porque houve essa troca?

 

Margareth Boury: Não faço a menor idéia.

 

Jéfferson Balbino – Como vocês autores da Record, reagiram com a ída de Tiago Santiago e Renata Dias Gomes para o SBT. Você também pensou em trocar de emissora?

 

Margareth Boury: Como os outros reagiram eu não sei, não teve mesa redonda pro assunto. Eu acho que o Tiago é um homem corajoso que sabe onde pisa. E eu acho ótimo abrir mercado, quanto mais emissoras com teledramaturgia tiver, mais chances de trabalhar a gente tem. E não, não passou pela minha cabeça ir para o SBT agora.

 

Jéfferson Balbino – Foi noticiado em alguns sites que você fará uma adaptação da novela mexicana Rebelde, é verdade? Como será a sua próxima novela na Record?

 

Margareth Boury: Não sei nada sobre Rebelde. Eu não gostaria de adaptar nada. A promessa na Record é ano que vem entrar no ar uma novela minha, que já foi lida e aprovada. Chama Bem Me Quer e eu ainda não posso falar muito dela.

 

 Jéfferson Balbino – O que você acha dessa parceria Record/Televisa? Em sua opinião vai ser sucesso?

 

Margareth Boury: Acredito muito no trabalho do Edson Spinello, que vai dirigir Bela, a Feia.

 

Jéfferson Balbino – Para finalizar, como você vê a atual fase da teledramaturgia no Brasil?

Margareth Boury: Essa pergunta é sempre feita e eu sempre digo a mesma coisa: a teledramaturgia não muda. Quem senta pra ver novela do Manoel Carlos sabe o que vai assistir. Glória Perez a mesma coisa. O autor tem uma marca e o público se identifica com ela. Quando chega gente nova é sempre bom, renova o ar. Estamos agora lançando gente nova, vamos ver como o público reage.

 

Jéfferson Balbino: Margareth, muitíssimo obrigado por conceder essa entrevista para o NO MUNDO DOS FAMOSOS, adoro o seu trabalho, te desejo muito sucesso e felicidades, não só para você, mas para toda a sua talentosa família. Obrigado!

 

Margareth Boury: Pra vocês todos também muito carinho, amor e paz.

 

.

Escrito por Jéfferson Balbino às 00h05 [ ] [ envie esta mensagem ] []